Google+ Followers

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O Livro Secreto do Marketing



Livro extremamente útil para profissionais e estudantes de Comunicação e Marketing; diria até, para qualquer leigo interessado no entendimento do lado “menos honrado” de alguns especialistas de marketing.

A verdade deve ser o norte de qualquer planejamento de Marketing, mas a verdade nem sempre foi contada de forma correta por alguns profissionais ao longo da história. É bom sabermos como fazer as coisas de forma enganosa para não cometermos tais erros de forma involuntária.
De maneira inteligente, o livro explora os relatos cuidadosamente maquiados, que foram produzidos geração após geração. Desvenda ruas estreitas pouco visitadas, que o levarão a partes obscuras do marketing comercial, das ciências sociais e da propaganda política. Caminhos que ligam erros futuros a promessas presentes e propaganda passada.

”O teste mais verdadeiro de qualquer cigarro é o fumo contínuo. Fume apenas cigarros Camel nos próximos 30 dias...e veja como Camel é suave, maço após maço... como eles agradam sua garganta enquanto você fuma regularmente. Veja se você não achará Camel mais prazeroso do que qualquer outro cigarro que já tenha fumado.”

Nunca ninguém havia imaginado que os cigarros pudessem matar. Afinal. Desde 1940, a marca de cigarros Camel anunciava : “Mais médicos fumam Camel do que qualquer outra marca.”

“As inverdades mais perigosas são as verdades moderadamente distorcidas.” – Georg Lichtenberg

Um livro marcante que expõe o lado negro das meias verdades que muitas organizações prefeririam manter em segredo.

Tá curioso em saber como surgiu o Branding?

“Enquanto filmes como “Branded” (marcado) sugeriam que o Oeste americano tenha durado pelo menos 50 anos, na verdade, o período durou apenas entre os anos 1866 e 1886. Os cowboys americanos marcavam seu gado para avisar às pessoas quem era o dono das cabeças e para evitar elas fizessem qualquer exigência de posse sobre o rebanho. Isso deu origem ao conceito moderno de ‘Brand” (marca) , com diferença fundamental que ele estimula as pessoas a “colocarem suas mãos sobre” a marca, em vez de manter as mãos longe dela.”

Nos Estados Unidos, ao analisar as táticas de propaganda de sua nação, Bernays chegou à conclusão de que os interesses comerciais e políticos dos “negócios com almas”(expressão muito usada pelo autor) eram indivisíveis e que, ao lidar com as massas, era muito difícil explicar questões complexas em uma base puramente racional. O necessário era o que Bernays chamava de “engenharia de consentimento”. Isso, por sua vez, preparou o caminho para “fazer a engenharia das mentes das pessoas” de forma que elas cobiçassem bens e serviços dos quais não precisassem realmente. Os negociantes de almas precisavam apenas relacionar os produtos, serviços e idéias aos desejos inconscientes e aos impulsos mais obscuros de consumidores e eleitores.

- Bernays era um daqueles gênios da propaganda, muito procurado pela CIA para alguns “serviços”.

Um dos tópicos mais fortes do livro é o que fala das “101 regras não publicadas do profissional de persuasão”. Técnicas repetidas ao longo da história e que ainda não foram abertamente reconhecidas em campanhas.

Citando apenas uma delas: “Seja um dos modernos” – Faça as pessoas acreditarem que sua lealdade prova que elas definem tendências, em vez de segui-las. No marketing isso funciona bem com marcas com apelo junto aos jovens, como tênis Reebok ou iPods da Apple. Outro exemplo vem à mente é um anúncio do Burger King contra o MacDonald’s que pergunta: “Você prefere se deleitar como um rei ou comer como um palhaço?”

Jonathan Gabay, autor do livro, atua no mercado de propaganda e marketing há trinta anos. Ele faz parte do Chartered Institute of Marketing, referência mundial em melhores práticas de marketing. 

Palavras do autor:
“O mundo todo está passando por profundas mudanças. Convicções firmemente enraizadas foram substituídas pelo ceticismo. O que será necessário fazer para que os líderes reconstruam sua reputação e reconquistem nossa confiança? Se você um dia já desconfiou que há mais por trás do que é dito e do que os olhos conseguem ver, ou se você está interessado em construir um futuro rentável e ético para sua organização ao aprender as maiores lições da história sobre modismos e propaganda, este livro foi escrito para você.”

Leia e saiba quais caminhos não seguir para construir um amanhã mais ético, moral e comercialmente sustentável.


Paulo Rubini - Digital Marketing Consulting

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O Neoconsumidor é multicanal, digital e global.



Recente pesquisa da GS&MD – Gouvêa de Souza - sobre o “Neoconsumidor”, realizada em diversos países, dentre eles, o Brasil, levantou informações importantes sobre como utilizar de forma integrada, internet e lojas físicas objetivando o aumento das vendas.

Algo importante que constatamos é o reforço da característica do neoconsumidor, que se tornou ainda mais mobile e global” - Luiz Goes, sócio sênior da GS&MD – Gouvêa de Souza. Goes revela que o neoconsumidor é multicanal, digital e global.

As impressões captadas são de suma importância para o desenvolvimento de estratégias. Vamos a elas:

Principais razões por não comprar
- 59% Prefere tocar o produto
- 48% Informações bancárias
- 37% Prefiro falar pessoalmente
- 41% Evita passar informações pessoais
- 41% Receio de não receber o produto

Processo de compra
- 62% Compram online e recebe em casa
- 84% Verificam online e compra na loja

Comparam preços
- 81% Utilizam sites de comparações de preço

De onde, geralmente, compram
- 67% Casa
- 18%Trabalho
- 6% Outros

Comportamentos de compra online
- 47% Fico desapontado se as lojas que compro regularmente não vendem online
- 71% A Internet é um ótimo ambiente de Compras
- 57% Considero a Internet um local seguro para Compras

Acesso à Internet via Celular
- 49% Acessa a Internet utilizando o celular
- 9% Acreditam que o celular possui um ambiente seguro para troca de informações
- 18% Sinto-me seguro em usar meu celular para compras online
- 67% Mais funções direcionadas a segurança precisam ser desenvolvidas para me sentir seguro em comprar pelo telefone
- 27% Demorará um bom tempo para que o número de compras por celular (dados) aumente
- 37% Gostaria de receber promoções e propagandas por meio do celular

Pagamento móvel
- 17% Estão familiarizados com o sistema de pagamento móvel
- 18% Conhece lojas que aceitam pagamento móvel
- 35% Pagamento móvel é o futuro
- 22% Funciona em outro país, mas não no meu

Compras coletivas
- 51% Já utilizaram
- 48% Nunca utilizaram
- 1% Não conhece

Muitas conclusões podem ser tiradas dessa pesquisa; mas, em especial, a convergência de canais. Ou seja, a integração entre as lojas físicas, suas marcas e a internet, como forma de impulsionar as vendas e gerar valor para as marcas.


Leia mais sobre a pesquisa aqui:
http://rafaelarinelli.wordpress.com/2011/08/27/neoconsumidor-do-brasil-e-destaque-em-estudo/