Google+ Followers

sábado, 31 de maio de 2008

O e-commerce veio para ficar

No início deste ano, uma pesquisa divulgada pela consultoria e-bit em parceria com a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico trouxe boas notícias para quem se aventurou no mundo das vendas pela Internet. Segundo a 17ª edição do relatório WebShoppers, em 2007 o Brasil movimentou R$ 6,3 bilhões em e-commerce, um aumento de 43% em relação ao ano anterior.

Os números apresentados na pesquisa mostram que, quando o assunto é comércio eletrônico, o Brasil está em sintonia com as tendências internacionais. Segundo o Instituto Forrester Research, nos Estados Unidos as vendas do varejo online este ano devem superar os US$ 204 bilhões, contra US$ 175 bilhões obtidos em 2007. A expectativa é que, nos EUA, os consumidores troquem cada vez mais as idas às lojas físicas e as compras via catálogo pelos cliques na Internet.

No Brasil, embora em ritmo menor do que nos EUA – onde os consumidores estão habituados a adquirir até mesmo veículos pela rede mundial de computadores! – cresce a adesão ao varejo virtual. Apenas em 2007, o relatório WebShoppers informa que foram registrados 20,4 milhões de pedidos online, contra os 14,8 milhões verificados em 2006. Cerca de 9,5 milhões de pessoas fizeram pelo menos um pedido online durante esse período. As categorias campeãs de vendas foram livros e assinaturas de revistas e jornais, informática, eletrônicos, saúde e beleza e telefonia celular.

"A Internet é a bola da vez ", afirma Marcel Jacob, gerente de e-commerce das Lojas Marisa. Desde os anos 50, famosa por oferecer roupas de qualidade com um preço acessível, a empresa foi a primeira a vender pela Internet em seu segmento – suas atividades de varejo eletrônico começaram no ano 2000, com a Marisa Virtual.
Hoje, embora não possa revelar números sobre suas atividades virtuais, a Internet se estabeleceu como um importante canal de vendas da Marisa. "Através do e-commerce, disponibilizamos toda nossa linha de produtos para clientes do Brasil inteiro e até mesmo do exterior – as roupas íntimas da Marisa fazem muito sucesso entre os consumidores estrangeiros", afirma Jacob. "A Internet nos possibilita atingir os locais onde ainda não estamos presentes fisicamente e ajuda a modernizar a percepção que os clientes têm da empresa".

Peça-chave

Apesar da crescente adesão ao comércio eletrônico, o sucesso nessa modalidade de negócio não depende apenas de aspectos como logística, softwares e interligação de negócios. Uma plataforma de email marketing também é fundamental. Aliás, uma boa plataforma de email marketing permite que a empresa visualize cada ação proveniente das campanhas, como os assuntos de maior interesse, os cliques nos produtos e a conversão em vendas no site. Assim, é possível identificar os perfis comportamentais da base, de acordo com os temas que mais chamam a atenção de cada destinatário e elaborar estratégias de segmentação para as próximas campanhas.

"O grande diferencial de uma ferramenta de email marketing bem estruturada é que ela oferece um processo automatizado, que pode ser facilmente integrado aos outros aspectos do negócio e facilitar a vida da loja virtual", afirma Ricardo Ramos, CIO da Virird Interatividade Digital, desenvolvedora da plataforma de envio e gestão de email marketing. "Além disso, todas as mensagens enviadas e respondidas através do email marketing devem gerar um histórico de cada cliente, fornecendo informações úteis para relacionamentos futuros com ele, como o envio de mensagens complementares a uma determinada compra", afirma Ramos.
Desde setembro de 2007, utilizando o email marketing para suas estratégias online, a Marisa é uma empresa ciente da relevância dessa ferramenta. "É uma questão estratégica para nossas atividades de comércio eletrônico", afirma Marcel Jacob. "O email marketing nos auxilia a gerar campanhas e a fazer com que o cliente tenha na Internet um meio seguro para fazer suas compras. Além disso, esta ferramenta nos oferece funcionalidades importantes, como segmentação, controle de blacklists e efetivação da venda pelo melhor custo-benefício".

Muitas empresas estão atentas ao email marketing. Com 17 anos de atuação no mercado, a Giuliana Flores é uma empresa especializada no comércio eletrônico de flores e arranjos e entrega seus produtos em mais de mil cidades do Brasil. Há mais de sete anos atuando em e-commerce, a empresa aderiu a Virtual Target quando sentiu a necessidade de criar campanhas virtuais para divulgação de seus produtos.

Com 80 mil clientes cadastrados, a empresa realiza 240 mil envios por mês. Entre o público que recebe as mensagens, 65% são mulheres e 35% são homens, ambos entre 25 e 40 anos. Com o uso de uma plataforma de email marketing adequada, a Giuliana Flores entende e identifica os comportamentos dos consumidores, de acordo com os temas que mais chamam a atenção de cada um e, assim, cria estratégias de segmentação para as próximas campanhas.

"Quando implantamos o email marketing, nossa base foi higienizada e organizada pela plataforma que utilizamos. Foi identificado sete mil emails entre inexistentes e corrigíveis", afirma Giuliano Souza, Gerente de Marketing da empresa. "Isso mostrou que nossa base não estava de acordo com a realidade. Com as campanhas online, tivemos maior proximidade na relação com os clientes".

Futuro promissor

Em consonância com os números obtidos no Brasil e no exterior durante os últimos anos, a tendência é que o varejo online siga em movimentos de alta. O relatório da e-bit e da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico projeta um crescimento de 45% no primeiro semestre em comparação com 2007. Em números, isso significa um salto de R$ 2,6 bilhões para R$ 3,8 bilhões.

E as ferramentas de email marketing devem desempenhar um papel importante nessa expansão, especialmente no Brasil, que ainda opera em patamares distantes dos EUA e Europa. "O Brasil já tem um e-commerce bem feito, mas falta maturidade em alguns pontos, como o atendimento", afirma Ricardo. "As lojas virtuais daqui ainda não dão um atendimento tão bom como as lojas físicas. O cliente entra no site e fica muito 'sozinho', não existe ninguém para orientá-lo. Ferramentas como chat e email marketing são importantes para guiar o consumidor e dar a ele a devida atenção".

Fonte: Virtual Target

Nenhum comentário: