Google+ Followers

sábado, 19 de dezembro de 2009

Estratégia como processo


A importância da flexibilidade em mercados dinâmicos e imprevisíveis

De acordo com a definição clássica de Michael Porter, professor da Harvard Business School, estratégia é uma questão de posicionamento, ou seja, você encontra um nicho de mercado lucrativo, levanta uma proteção em torno dele, trabalha com afinco visando ao longo prazo, e quando os concorrentes aparecem você dá duro neles. No entanto, uma vez que a dinâmica de competição pode mudar a qualquer momento – quando uma empresa globalizada de grande porte decide entrar na luta por um segmento de mercado, sua supremacia de mercado pode ser desafiada da noite para o dia –, temos aqui um dilema: você se apega àquela postura cautelosamente determinada ou abandona tudo, em detrimento de estratégias circunstanciais? Para muitas empresas, a resposta está em desenvolver processos que as tornem capazes de realizar novas conquistas.

SIMPLIFIQUE, SIMPLIFIQUE

A estratégia responde a duas perguntas: Aonde você quer chegar? Como você deseja chegar lá? Em mercados estáticos, a ênfase está no 'aonde'. Entretanto, em mercados altamente dinâmicos os meios assumem um caráter fundamental. Na verdade, para sermos bem-sucedidos em mercados complexos é necessário manter a estratégia simples, focada em poucos processos estratégicos e em algumas regras claras. É igualmente necessário estar atento ao tempo e ao ritmo – seu, dos seus clientes e dos concorrentes. É por meio dessa simplicidade e desse foco que os gerentes conseguem aproveitar oportunidades que proporcionam vantagens inesperadas e valiosas.

O principio estratégico nos ajuda a alcançar a simplicidade e o foco necessários. O princípio estratégico é uma declaração concreta, fundada na realidade econômica que diz respeito à administração da sua empresa. Não se trata de uma declaração de missão, tampouco de uma aspiração e muito menos da estratégia em si. Considere o princípio estratégico como um modelo que pode ajudá-lo a realizar tradeoffs – determinar que oportunidades você deve perseguir e quais as que você deve ignorar.

Nem sempre é fácil seguir um princípio estratégico. Às vezes isso significa curvar-se diante da razão, mesmo quando se tem um forte apelo emotivo. No tempo em que a Beringer Wine pertencia ao grupo Nestlé, possuía alguns dos mais belos vinhedos e fabricáva um dos melhores vinhos dos Estados Unidos. O princípio estratégico, porém, era permanecer em um mercado em que pudéssem patentear vantagens tecnológicas que os proporcionassem com produtos e marcas próprios, com um índice de preferência do consumidor da ordem de 60%, contra 40% da concorrência. Depois de analisarem a situação, concluíram que não era possível produzir um vinho superior a qualquer outro vinho de boa qualidade, produzido artesanalmente. Com isso, desistiram do empreendimento.

ALAVANCANDO AS FORÇAS DOS CONCORRENTES

David B. Yoffie, professor da Harvard Business School, e co-autor do livro Judo Strategy, explica que o princípio fundamental do judô se baseia em não combater força com força. Você pode superar concorrentes muito mais fortes usando o peso e a força deles contra eles mesmos. A Procter & Gamble tentou desbancar um de seus pequenos concorrentes, a fábrica de fraldas descartáveis Drypers, distribuindo cupons de descontos em todo o estado do Texas. Apesar de ser uma empresa de baixo custo, naquela época, a Drypers ainda estava operando no vermelho. Mesmo assim, ela combateu a sua concorrente anunciando aos seus varejistas e consumidores que ela também aceitaria os cupons de descontos da Procter & Gamble. Em seis semanas, a Drypers já tinha chegado à sua capacidade máxima de produção, o que a levou a atingir o ponto de equilíbrio. Yoffie ainda acrescenta que a estratégia do judô também pode ser eficaz para empresas poderosas, de grande porte. No entanto, uma vez que tamanho realmente tem suas vantagens, Brabeck Letmathe faz a seguinte pergunta com um ar de ironia: Por que, nos Jogos Olímpicos, são estabelecidas categorias de peso para as competições de judô?

Em mercados estáticos, você cria a estratégia antes da organização. Em mercados mais dinâmicos e ambíguos, a estratégia é a própria organização. A maneira como uma empresa é organizada, tanto no que diz respeito à sua estrutura quanto aos seus processos estratégicos-chave, é o que determina a sobrevivência nesses mercados. À medida que o mundo evolui, as particularidades do conteúdo estratégico vão sendo alteradas.

É de fundamental importância a frase: À medida que o mundo evolui. É totalmente factível ser adaptável e estar constantemente adotando novas estratégias. Sua organização e o seu princípio estratégico proporcionam a continuidade necessária para que você flexibilize sua empresa de acordo com as exigências da economia.

Nenhum comentário: