Google+ Followers

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Supermarcas

Longo prazo. É assim o trabalho que envolve construção de marca. “O principal problema enfrentado pela gestão de marcas no Brasil é a o foco em ações para resultados no curto prazo”, explica Gilson Nunes, sócio e CEO da Brand Finance para o Cone Sul, consultoria que atua na avaliação de ativos intangíveis. "Estamos em um período de constante evolução tecnológica, no qual os produtos e serviços têm curta duração na grande maioria das vezes. Mas ao contrário dessa volatilidade, a marca permanece presente ao longo de toda a vida da empresa", frisa.

Outros problemas que dificultam a criação de marcas fortes no País é que as empresas ainda não costumam adotar trabalhos de branding que gerem uma diferenciação real. Além disso, grande parte dos projetos de gestão de marca, não contam com medições e gerenciamento eficazes das atividades executadas. “A globalização do mercado coloca a criação do valor de marca entre os principais objetivos das empresas”, diz ele. O branding, assim, passa a ser tratado como competência a ser desenvolvida.

E se antes a única preocupação ao se trabalhar marca era a criação do logotipo, hoje ela vai bem mais longe. “A principal meta é estabelecer uma relação com as marcas além da imagem pura, até atingir status de elemento cultural”, argumenta Nunes.
Por que tanto trabalho? Marcas fortes atraem clientes e, por conseqüência, geram mais valor para os acionistas. “Nossa pesquisa calculou que 78% do valor de mercado de empresas está concentrado nos ativos intangíveis, nos quais a marca é o mais importante”, revela o CEO.

Por Ticiana Werneck

----->

Tem-se falado muito sobre marcas e branding na era da informação e da comoditização e a frase: “Nossa pesquisa calculou que 78% do valor de mercado de empresas está concentrado nos ativos intangíveis, nos quais a marca é o mais importante”, do artigo extraído da Consumidor Moderno ai de cima me atentou para um fato - FATO MESMO - cada vez mais relevante: o brand equity. Como chegaremos a uma mensuração que possa ser inserida no patrimônio das empresas?

Nenhum comentário: